primark.comCarreiras
Logótipo Primark
Equipa da Primark e trabalhadores de produção numa fábrica

Pessoas

Na Primark estamos empenhados em apoiar a vida das pessoas que fazem as nossas roupas. Sem elas, não estaríamos onde estamos hoje, e levamos muito a sério as nossas responsabilidades para com estas. Eis como estamos a usar o poder do nosso negócio para fazer exatamente isso...

Como é que trabalhamos com fornecedores Primark

Trabalhamos com fornecedores, fábricas e agricultores em todo o mundo, dentro do nosso Sustainable Cotton Programme da Primark (PASP), para criar os produtos de que os nossos clientes gostam. Sempre que contratamos um novo fornecedor Primark, estes devem comprometer-se a cumprir as normas internacionalmente reconhecidas estabelecidas no nosso  Código de Conduta de Fornecedores. Trabalhamos de perto com os nossos fornecedores e as respetivas fábricas e regressamos, pelo menos, uma vez por ano para nos certificarmos de que os nossos padrões são mantidos. Na realidade, a nossa equipa no terreno realiza anualmente cerca de 2500 inspeções para garantir a proteção dos horários, salários e direitos dos trabalhadores.

Há muitos anos que investimos em programas de formação para apoiar tanto os trabalhadores das fábricas como os nossos agricultores do PASP. Estes programas destinam-se a dar às pessoas tanto a oportunidade de desenvolverem as suas competências no local de trabalho, como de se concentrarem na sua saúde física e mental e no seu bem-estar. Continua a ler para saberes mais...

Sabias que?

Empregamos 130 pessoas locais na nossa equipa de Comércio Ético e Sustentabilidade Ambiental. Entre si, visitam todas as fábricas com as quais trabalhamos, pelo menos, uma vez por ano para realizar auditorias presenciais, ao mesmo tempo que dão formação aos funcionários e trabalhadores das fábricas.

O Programa de Capacitação dos Trabalhadores da Índia (India Worker Empowerment Programme, IWEP) começou no Sul da Índia como um conjunto de projetos concebidos para responder às necessidades dos trabalhadores vulneráveis do vestuário, particularmente mulheres e trabalhadores migrantes em Tirupur e arredores. Foi lançado com o My Life, em 2017, e tem vindo a crescer desde então. Consiste agora no My Space, My Journey e PASS, que têm evoluído para responder às necessidades dos trabalhadores através de uma grande variedade de tópicos.

Em 2017, em parceria com a ONG internacional Women Win e com a Naz Foundation, lançámos o My Life para desenvolver competências de vida entre trabalhdores vulneráveis na Índia, dando especial atenção a residentes em hostels e mulheres. O programa apoia as fábricas para formarem trabalhadores vulneráveis com competências básicas de vida, incluindo saúde e segurança no local de trabalho, direitos e responsabilidades, comunicação e trabalho de equipa. A formação também abrange a melhoria da compreensão dos participantes relativamente a documentos de trabalho e recibos de vencimento, como parte do nosso compromisso para fortalecer a literacia financeira das pessoas na nossa cadeia de fornecimento.

Na Índia, há 600 milhões de migrantes internos que, habitualmente, percorrem grandes distâncias em todo o país à procura de trabalho sazonal ou temporário e muitas das fábricas que são nossas fornecedoras estão concentradas nestas áreas. Em resultado disto, os trabalhadores migrantes podem ser alguns dos mais vulneráveis na nossa cadeia de fornecimento.

A formação é dada através de uma abordagem lúdica, que recorre a atividades interativas, tais como jogos para facilitar o envolvimento e a aprendizagem dos trabalhadores. É agora oferecida em quatro línguas e os formadores recorrem também à funcionalidade de conversão de texto em voz, do Google, para que os trabalhadores possam ouvir e compreender os contratos que não estão escritos na respetiva língua nativa.

Este ano, desenvolvemos uma avaliação do impacto independente do My Life, para discutir o programa com 500 trabalhadores fabris que concluíram a formação em 8 fábricas em Tamil Nadu, Índia. A investigação ainda está a decorrer, mas os resultados preliminares são promissores: 

  • 3 em cada 5 trabalhadores reportam melhorias significativas nas suas competências de comunicação graças à formação My Life. 

  • 3 em cada 5 trabalhadores também reportam sentir melhorias significativas na sua higiene e saúde menstrual e pessoal graças à formação My Life.

  • Dois terços dos trabalhadores "concordam totalmente" que compreendem melhor os seus direitos e responsabilidades no trabalho depois da formação My Life.

Até julho de 2023, a My Life India ajudou trabalhadores vulneráveis em sete fábricas, representando mais de 4000 trabalhadores, a perceber melhor os seus direitos.

O My Space é implementado em parceria com o St John’s Medical College. Foi criado para dar apoio prático à saúde mental dos trabalhadores. O projeto inclui a sensibilização e a redução do estigma em torno da abordagem de questões de saúde mental no local de trabalho. O projeto estabelece serviços básicos de aconselhamento em fábricas através da formação de pessoal de fábrica selecionado por profissionais médicos do St Johns e do envolvimento com trabalhadores e gestores para reduzir o estigma em falar de saúde mental. Falamos regularmente com as equipas locais para acompanhar e discutir os progressos. Inúmeros trabalhadores têm sido apoiados numa variedade de problemas.

Em 2020, introduzimos um módulo de formação para os conselheiros no local de trabalho sobre assédio sexual. As fábricas são posteriormente encorajadas a nomear estes conselheiros formados para os seus Comités Internos de Queixas - o mecanismo formal que trata de casos de assédio sexual no local de trabalho na Índia.

Durante a pandemia da Covid-19, os conselheiros da fábrica, a direção e o pessoal de RH continuaram a utilizar as redes My Space para apoiar os trabalhadores nas suas comunidades. Ajudaram a sensibilizar para as medidas de precaução da COVID-19 e ofereceram apoio geral à saúde mental.

Sabe mais

Iniciado em 2019, o programa PASS fornece educação e apoio prático para ajudar os trabalhadores indianos de vestuário em Tirupur e arredores a acederem ao apoio governamental a que têm direito em termos do regime de saúde do Employees Provident Fund (EPF) e do Employees State Insurance (ESI). Os organizadores comunitários formam colegas voluntários na comunidade local, que depois ajudam os trabalhadores a inscreverem-se e a tirarem partido dos programas.

O projeto tem sido bem sucedido em ajudar os trabalhadores a acederem aos respetivos benefícios da segurança social. Ajudou um trabalhador a candidatar-se ao programa de Seguro do Trabalhador para tratamento de saúde na sequência de um acidente de trabalho e ajudou outro a obter acesso aos seus direitos de ESI e EPF, que tinham ficado em espera devido a erros administrativos. Os organizadores comunitários também recolhem informação para ajudar aos esforços de defesa do SAVE junto do governo e outros principais intervenientes. O PASS baseia-se no nosso anterior programa de Grupos de Educação de Trabalhadores com o SAVE, que teve início em 2010.

O Sudokkho foi um projeto financiado pelo governo britânico e suíço e é um exemplo de como estamos a apoiar a progressão da carreira dos trabalhadores, particularmente das mulheres, na nossa cadeia de fornecimento. Para formar melhor os operadores de máquinas de costura novos e existentes, as fábricas são apoiadas através de um sistema de formação técnico, estruturado e interno. A maioria dos trabalhadores formados no âmbito deste projeto, muitas das quais mulheres, tornam-se elegíveis para promoções e aumentos salariais. Isto significa que os trabalhadores envolvidos no programa, a maioria das quais mulheres, estão a aprender novas competências que aumentam o seu potencial de rendimento. Até julho de 2023, o programa de desenvolvimento de competências Sudokkho foi executado em 17 fábricas. Estas fábricas têm 29 224 trabalhadoras, o que representa 18 % das trabalhadoras na nossa cadeia de fornecimento de produtos acabados no Bangladesh.

Em 2021, em parceria com a Microfinance Opportunities, uma ONG com sede nos EUA, e a South Asian Network on Economic Modeling (SANEM), o seu parceiro local no Bangladesh, estabelecemos este projeto com o objetivo de reforçar a voz dos trabalhadores através da compreensão dos seus pontos de vista e experiências no local de trabalho. O projeto teve como modelo o projeto Garment Worker Diaries (Diários do Trabalhador de Vestuário) no Bangladesh.
Selecionámos 400 trabalhadores de várias fábricas da nossa cadeia de fornecimento. Foram todos recrutados remotamente através de redes comunitárias e pagos pelo seu tempo no projeto. Fizemos-lhes repetidamente um conjunto de perguntas durante um período de tempo definido, para nos permitir compreender as suas opiniões sobre saúde e segurança no trabalho, salários, bónus e redução de gastos.

No Bangladesh é um requisito legal que as fábricas tenham um comité de participação dos trabalhadores, mas estes comités não são muitas vezes eficazes.
O programa de Diálogo Social da Iniciativa de Comércio Ético, iniciado em 2016, reforça a capacidade dos trabalhadores de participar nos comités e ajuda a direção da fábrica a gerir estes comités de forma eficaz e de acordo com a lei.

O programa forma os trabalhadores eleitos e a direção sobre os principais aspetos de ser um membro do comité e sobre questões como a compreensão do direito do trabalho, o tratamento de queixas, a resolução de problemas, procedimentos formais de reunião, comunicação eficaz e assédio sexual.

Existe também um curso especificamente concebido para os membros do comité feminino. Isto abrange questões, tais como o subsídio de maternidade, assédio sexual e discriminação salarial, bem como o desenvolvimento de competências transversais, incluindo falar e comunicar em público. É também uma oportunidade para as mulheres discutirem a segurança no local de trabalho e nas suas deslocações diárias. Muitas das mulheres que participam no relatório de formação afirmam que este melhora a sua confiança para gerir conflitos no trabalho e em casa.

O programa Promising Futures, implementado pela Carnstone para os trabalhadores na China, desde 2018, tem como objetivo sensibilizar e compreender o complexo sistema de segurança social da China entre os trabalhadores e a direção da fábrica. Também os apoia no acesso à segurança social. O projeto utiliza o WeChat, uma plataforma de redes sociais e de recursos baseados na Internet, para aumentar a sensibilização e partilhar informação. Os recursos online incluem um teatro educativo e um site que oferece informação e orientação prática sobre segurança social. Estamos também a financiar mais conteúdos de sites para fornecer informações sobre outras províncias da China onde os procedimentos de segurança social podem diferir. O programa Promising Future está agora no seu quinto ano. Até julho de 2023, o programa foi executado em 437 fábricas. Estas fábricas têm 78 000 trabalhadores, o que representa 13% do total de trabalhadores na nossa cadeia de fornecimento de produtos acabados. Na sequência do programa, os trabalhadores afirmaram que entendiam melhor a segurança social e a sua adoção também aumentou nas fábricas que seguiram o programa. Houve uma mudança nas atitudes e comportamentos da gestão das fábricas, com muitos a incentivarem os trabalhadores a inscreverem-se na segurança social. Também identificamos algumas barreiras para que o programa alcance um maior impacto através da nossa avaliação, incluindo a resistência dos trabalhadores em inscreverem-se na segurança social.

Lançada como piloto em 2018, a nossa aplicação China CIQ Worker foi concebida para compreender as práticas de recursos humanos, melhorar a comunicação e aumentar a sensibilização para os direitos dos trabalhadores. O programa-piloto resultou numa maior transparência das práticas de RH, numa melhor comunicação entre a direção e os trabalhadores e numa maior consciência dos direitos dos trabalhadores. Esta aplicação também tem uma funcionalidade para que os trabalhadores possam apresentar queixas. Para garantir que as queixas apresentadas na aplicação são tratadas adequadamente, estamos a ajudar as fábricas a implementarem sistemas e processos de gestão adequados para tratar e resolver as queixas.

Ajudámos a criar Worker Learning Clubs (Clubes de Aprendizagem do Trabalhador) em fábricas para educar os trabalhadores sobre questões de SST (Saúde e Segurança no Trabalho), direitos laborais fundamentais e competências para a vida. Estes clubes são liderados por Worker Champions, que frequentam um curso de formação de dois dias para os munir das competências necessárias para gerir os clubes de forma eficaz e aumentar a consciencialização e o conhecimento sobre SST.

Os Worker Champions partilham materiais de aprendizagem através do WeChat para ajudar na aprendizagem entre colegas. Embora não seja um projecto de SST específico para mulheres, os promotores fizeram esforços extra para incluir considerações de igualdade de género no conteúdo. Abrange as preocupações específicas das trabalhadoras relativamente à discriminação de género, assédio sexual e proteção dos direitos laborais das mulheres. Os módulos de aprendizagem incluem informações sobre SST e restrições de emprego para as trabalhadoras.

Somos um membro parceiro do programa Better Work da OIT, que opera nos principais países de fornecimento. Realiza a monitorização dos locais e ajuda a formar a direção e os trabalhadores na prevenção e abordagem do assédio sexual para trabalhadores, managers e supervisores.
A criação de comités a nível de fábrica para apoiar a comunicação entre managers e trabalhadores é central para o programa Better Work. Para garantir que as vozes das mulheres são ouvidas, estas são fortemente encorajadas a juntarem-se a estes comités e, pelo menos, metade dos membros devem ser do sexo feminino. Foi desenvolvido um projeto específico para ajudar as trabalhadoras a enfrentarem situações no local de trabalho e a desenvolverem capacidades de liderança. O programa também tem apoiado as mulheres a ultrapassarem a resistência dos membros da família para se juntarem aos comités da fábrica.

O STOP tem como objetivo combater o assédio sexual e a violência baseada no género no local de trabalho. O projeto, iniciado em 2019, oferece apoio e formação para ajudar as fábricas a estabelecer e manter mecanismos eficazes de prevenção e resposta ao assédio sexual no local de trabalho. Podes saber mais sobre este projeto em Violência Baseada no Género e Assédio Sexual.

Somos um membro parceiro do programa Better Work da OIT, que opera nos principais países de fornecimento. Realiza a monitorização dos locais e ajuda a formar a direção e os trabalhadores na prevenção e abordagem do assédio sexual para trabalhadores, managers e supervisores.
A criação de comités a nível de fábrica para apoiar a comunicação entre managers e trabalhadores é central para o programa Better Work. Para garantir que as vozes das mulheres são ouvidas, estas são fortemente encorajadas a juntarem-se a estes comités e, pelo menos, metade dos membros devem ser do sexo feminino. Foi desenvolvido um projeto específico para ajudar as trabalhadoras a enfrentarem situações no local de trabalho e a desenvolverem capacidades de liderança. O programa também tem apoiado as mulheres a ultrapassarem a resistência dos membros da família para se juntarem aos comités da fábrica.

O STOP tem como objetivo combater o assédio sexual e a violência baseada no género no local de trabalho. O projeto, iniciado em 2019, oferece apoio e formação para ajudar as fábricas a estabelecer e manter mecanismos eficazes de prevenção e resposta ao assédio sexual no local de trabalho. Podes saber mais sobre este projeto em Violência Baseada no Género e Assédio Sexual.

2023 © Primark Stores Limited