De sustentável a regenerativo - Primark Cares

De sustentável a regenerativo

Sabemos que a cultura do algodão pode utilizar bastantes fertilizantes químicos, pesticidas e água - a menos que seja cultivado utilizando práticas agrícolas mais sustentáveis.

Mais algodão sustentável

Esta é uma das razões pelas quais a Primark tem vindo a trabalhar com o seu parceiro CottonConnect desde 2013 para desenvolver o nosso Programa de Algodão Sustentável da Primark (PSCP) que se baseia no código REEL. O código REEL foi desenvolvido pela CottonConnect e é um programa agrícola de três anos que oferece aos agricultores formação sobre práticas de cultivo do algodão mais sustentáveis. O PSCP é um dos maiores do seu género na indústria e emprega parceiros locais de implementação para trabalhar diretamente com agricultores de algodão na Índia, no Paquistão e Bangladesh. Ajudamos a formá-los para cultivar algodão recorrendo a práticas agrícolas mais sustentáveis, utilizando menos água, fertilizantes químicos e pesticidas.

Estas práticas têm-se provado benéficas. Os agricultores do programa reduziram em média a utilização de pesticidas químicos em 40%, fertilizantes químicos em 25% e água em 10%, tendo o programa sido um grande sucesso.

Os rendimentos médios dos agricultores aumentaram e também os seus lucros. Simultaneamente, a utilização de insumos agrícolas como pesticidas, fertilizantes e água diminuiu.

Atualmente, irá encontrar algodão do PSCP em 14% das roupas de algodão que vendemos. E há medida que trabalhamos para alcançar o nosso compromisso de formar 160 000 agricultores nestas práticas até finais de 2022, esperamos que este número aumente no futuro.

Melhorar a saúde do solo

Mas precisamos de fazer melhor e de ir mais longe para melhorar e restaurar ativamente os ambientes locais onde os nossos materiais são cultivados.

Quando se trata do cultivo do algodão, sabemos que práticas como a lavoura (virar) do solo e a utilização de fertilizantes convencionais libertam CO2. Sabemos que o solo desempenha um papel importante no apoio a ecossistemas saudáveis, são importantes reservatórios de biodiversidade e podem ajudar a regular as emissões de gases com efeito de estufa.

Estamos a trabalhar com agricultores para introduzir novas práticas que não só ajudarão a melhorar o ecossistema baseado na agricultura, incluindo a reabilitação do solo, mas também a melhorar as oportunidades de subsistência. Chama-se agricultura regenerativa. O PSCP já utiliza práticas que ajudam os agricultores a reduzir o uso de pesticidas químicos e fertilizantes e a adotar melhores práticas de gestão do solo e de combate às pragas. Iremos continuar a ajudar os agricultores a implementar estas práticas. Iremos também continuar a apresentar outras práticas mais regenerativas aos agricultores do programa, reforçando os impactos positivos da sua agricultura no ambiente e na sua subsistência.

Melhores práticas agrícolas

Estamos a colaborar com a CottonConnect, juntamente com os nossos parceiros de implementação no terreno, em práticas agrícolas ainda melhores. Com o CottonConnect estamos também a desenvolver um novo código de regeneração de algodão líder na indústria e vamos trabalhar com agricultores através de um programa de formação alargado, que se baseia na nossa formação PSCP existente, sobre como podem aplicar estas práticas agrícolas. Mas esta é uma grande ambição e irá levar o seu tempo. O nosso objetivo é que cada agricultor do PSCP adote mais práticas regenerativas até 2030.

Para testar os novos métodos agrícolas, em 2021 demos início a um programa piloto com 3000 agricultores na Índia, no Paquistão e Bangladesh. Estão a ser mostrados aos agricultores os benefícios de práticas agrícolas mais regenerativas e a ser formados na forma de as utilizar.

As práticas que estão a aprender a utilizar incluem:

  • Cultivo intercalar e cultivo de cobertura - onde as culturas são cultivadas para proteger o solo e impedir que este se solte em vez de limpar a terra após a colheita.
  • Melhorar a saúde do solo através da redução da lavoura e da utilização da cobertura orgânica do solo - de modo a perturbar o solo o menos possível.
  • Incentivar uma melhor criação de animais - de modo a melhorar a saúde do gado, mas também a diversificação dos rendimentos dos agricultores.
  • Agroflorestação - onde as árvores são cultivadas em torno de culturas ou pastagens e utilizadas como quebra-ventos, alimentos, combustível, origens de rendimento e reservas de carbono que enriquecem o solo e ajudam a reduzir a erosão.

Através deste programa-piloto, estamos a desenvolver a nossa compreensão de como deixar a terra e a sua biodiversidade em melhores condições.

Primeiro programa de agricultura regenerativa escalável

O programa-piloto também irá ajudar-nos a aperfeiçoar o novo Código de Algodão Regenerativo REEL, que esperamos venha a ser o primeiro programa regenerativo não orgânico de sempre que possa ser propagado. Baseia-se em práticas agrícolas concebidas para melhorar o solo, aumentar a biodiversidade, utilizar menos água, reduzir o impacto das alterações climáticas e garantir meios de subsistência mais sustentáveis e mais capazes para os agricultores e suas comunidades. Este último ponto é crucial, porque temos de garantir um retorno económico para os agricultores de modo a que a agricultura regenerativa faça sentido comercial para eles e estes estejam motivados a mudar as suas práticas.

No entanto, é evidente que cada exploração agrícola é diferente e que uma abordagem única não vai funcionar. Tal como com o nosso atual PSCP, trabalharemos com os nossos parceiros locais para encontrar o que funciona melhor no contexto local. Os nossos parceiros também irão trabalhar para monitorizar o progresso anualmente.

E não iremos ficar por aqui! Sabemos que o que estamos a fazer é realmente importante - para além de ser uma vitória para os agricultores. É por isso que a CottonConnect decidiu disponibilizar este Código de Algodão Regenerativo REEL pioneiro a outras marcas, retalhistas e agricultores. Estão a fazer isto na esperança de que também eles venham a beneficiar e coletivamente possamos todos trabalhar no sentido de estimular a natureza.