As nossas normas

Vamos tornar possível comprar melhor - para dar aos clientes da Primark a oportunidade de fazer escolhas mais sustentáveis a um preço que eles possam pagar.
As nossas normas - Primark Cares

Para o fazer, estamos a divulgar a sustentabilidade através das nossas próprias operações e através das nossas cadeias de fornecimento. Queremos também tornar mais fácil para todos ver como é uma abordagem mais sustentável nos produtos que vendemos e na forma como fazemos negócios.

Para nos ajudar a atingir este objetivo, estabelecemos políticas e procedimentos para garantir que os nossos fornecedores cumprem os nossos elevados padrões. E que se surgirem questões ou preocupações, elas serão rapidamente trazidas à nossa atenção.

O nosso Código de Conduta O nosso

Código de Conduta é o pilar do nosso Ethical Trade and Environmental Sustainability Programme. Este conjunto robusto de requisitos constitui uma parte essencial dos termos e condições de comércio da Primark.

Não somos proprietários de nenhuma das fábricas que fabricam os produtos que vendemos, mas somos muito seletivos sobre com quem trabalhamos e só o fazemos se eles concordarem com as normas estabelecidas no nosso Código de Conduta. Estas normas devem ser cumpridas em todos os locais que produzem produtos para a Primark e temos processos rigorosos em vigor para verificar se são cumpridas.

As 13 cláusulas do nosso Código de Conduta abrangem uma série de questões incluindo a nossa abordagem de tolerância zero ao trabalho infantil e suborno, os direitos dos trabalhadores a formar um sindicato e garantir que as pessoas não trabalham horas em excesso. Também inclui a nossa esperança de que todas as fábricas que fornecem a Primark estejam a manter práticas ambientais adequadas.

Cada fábrica tem de ser aprovada pela nossa equipa de Ethical Trade, antes de serem feitas quaisquer encomendas, e apenas se as normas exigidas forem cumpridas. Uma vez aprovada, é o trabalho desta equipa, um grupo de mais de 130 peritos no terreno nos nossos principais mercados de fornecimento que realizam anualmente cerca de 3000 auditorias sociais e monitorizam os cumprimentos em curso. Trabalhando com um pequeno número de terceiros cuidadosamente selecionados, as nossas equipas auditam cada fábrica pelo menos uma vez por ano, por vezes mais, para verificar se as normas internacionais estão a ser cumpridas. Sempre que surgirem problemas, a equipa irá colaborar com os fornecedores e as suas fábricas para os ajudar a encontrar soluções, a dar formação e na criação de projetos de colaboração para proteger e promover o bem-estar dos trabalhadores.

Somos membros da Ethical Trading Initiative (ETI) do Reino Unido desde 2006 e desde 2011 que somos considerados como tendo estatuto de liderança. O código de base da ETI, que se fundamenta nas convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e é um código de prática laboral reconhecido internacionalmente, constitui a base do Código de Conduta de Fornecedores da Primark.

O nosso compromisso para com o ambiente

Tornarmo-nos um negócio mais sustentável é um caminho e não estamos a começar do zero. Mas sabemos que precisamos de ir muito mais longe e uma grande parte disso tem a ver com a redução do impacto que o nosso negócio tem no planeta.

Temos uma equipa global de peritos em sustentabilidade ambiental que trabalha diretamente com os nossos fornecedores e as suas fábricas, e em parceria com organizações externas.

A nossa Política Ambiental define as nossas intenções ambientais e salienta o nosso compromisso com a sustentabilidade. Explica as nossas expetativas de que os nossos produtos sejam fabricados de uma forma mais sustentável. Isto significa o fornecimento responsável de matérias-primas, tais como o algodão.

Acreditamos numa comunicação honesta e aberta

Encorajamos uma cultura aberta em todas as nossas relações e apoiamos uma comunicação eficaz e honesta. Como subsidiária da Associated British Foods Plc (ABF), adotámos a sua Política de denúncia de irregularidades para aconselhar qualquer pessoa que queira apresentar queixa junto da Primark. Isto assegura que podem exprimir as suas preocupações em confidência e a salvo de represálias ou consequências. Temos também um programa de apoio para ajudar a garantir que os trabalhadores possam ter acesso a mecanismos de queixa eficazes.

Queremos que as pessoas se sintam seguras no trabalho

A nossa maior prioridade é manter os trabalhadores em segurança. Desde 2013, temos implementado um programa de integridade estrutural. Ajuda-nos a identificar riscos potenciais em países onde as normas de construção não são implementadas corretamente, estes levantamentos de edifícios fabris são realizados contra as normas nacionais específicas de cada país.

Realizamos avaliações exaustivas e rigorosas da construção de fábricas para todos os nossos locais Tier 1 e Tier 2 no Bangladesh, Paquistão e Mianmar. Caso sejam identificadas áreas que necessitem de melhorias, trabalhamos com uma equipa de engenheiros estruturais e civis de empresas internacionais de engenharia, incluindo a Mott MacDonald e a Aecom, para dar às fábricas apoio técnico e orientação para a resolução de quaisquer problemas encontrados.

Abaixo irás encontrar mais sobre as várias normas que regem o nosso negócio e os nossos fornecedores.

Identificação e ação de riscos

Desenvolvemos continuamente a devida diligência para identificar riscos em todo o nosso negócio. O processo que utilizamos é o resultado de uma análise comparativa e consulta aprofundada com as organizações de direitos humanos. Alinha-se com os Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Negócios e Direitos Humanos e as Diretivas de Diligência Devida da OCDE para Cadeias de Fornecimento Responsável no Setor do Vestuário e Calçado.

A nossa abordagem consiste em quatro elementos principais:

1. AVALIAÇÕES DE RISCO DO PAÍS:

Efetuamos investigação utilizando relatórios externos existentes e fontes de informação credíveis e disponíveis ao público para criar avaliações para cada país que nos fornece. Isto inclui análise política, económica, social e jurídica e mapeamento de riscos. As avaliações incidem tanto no setor do vestuário e calçado como em setores e indústrias adicionais. Isto ajuda-nos a:

  1. Construir um quadro abrangente dos riscos em cada país das nossas cadeias de fornecimento, incluindo alguns dos riscos mais evidentes, tais como o trabalho forçado e infantil.
  2. Compreender as causas profundas destes riscos.
  3. Identificar as principais partes interessadas e iniciativas que trabalham nestas questões, com as quais nos possamos envolver e com as quais possamos aprender.

2. ANÁLISE DOS DADOS INTERNOS DA PRIMARK:

As nossas equipas locais de Ethical Trade and Environmental Sustainability são um dos nossos recursos mais importantes - são os nossos "olhos e ouvidos" no terreno. A nossa equipa de mais de 130 peritos locais, baseada nos nossos principais países fornecedores, foi recrutada a partir de uma série de diferentes organizações, incluindo outras empresas, agências de desenvolvimento e sociedade civil.

As equipas são responsáveis pela monitorização das cadeias de fornecimento para garantir o cumprimento das nossas normas e políticas no local de trabalho e por ajudar as mesmas a melhor prevenir e gerir os riscos. São capazes de se envolver diretamente com os trabalhadores das nossas cadeias de fornecimento e com os nossos parceiros e peritos externos no terreno.

Podemos também tirar partido da informação e análise de mais de 34 000 auditorias realizadas aos fornecedores da Primark desde 2007, que se encontram na nossa base de dados central de auditoria.

3. CONSULTA DAS PARTES INTERESSADAS:

As partes interessadas externas são uma fonte vital de informação e orientação. Ajudam-nos a compreender os riscos nas nossas cadeias de fornecimento, como identificá-los e que grupos podem ser mais vulneráveis. O seu discernimento e conhecimento são preciosos.

As partes interessadas externas também ajudam no desenvolvimento de estratégias e abordagens para prevenir ou resolver problemas. As partes interessadas podem incluir grupos da sociedade civil, sindicatos, governos, agências internacionais, agências intergovernamentais, iniciativas multiparticipativas e peritos jurídicos.

Somos um membro ativo de uma série de colaborações da indústria. Fomos um dos membros fundadores da iniciativa ACT sobre salários condignos em 2015; somos membros da Ethical Trading Initiative (ETI) do Reino Unido desde 2006; e fomos uma das primeiras marcas a assinar o Acordo sobre Segurança contra Incêndios e em Edifícios no Bangladesh após a tragédia de Rana Plaza em 2013.

Preocupamo-nos com a subsistência das pessoas que fabricam os nossos produtos. Nos últimos dez anos temos trabalhado arduamente com os nossos fornecedores para melhorar as fábricas que utilizamos, em termos de condições de trabalho, tratamento dos trabalhadores e remuneração.

Seguimos e apoiamos a legislação para abordar os riscos em toda a indústria do vestuário e defendemos tais medidas. Participámos nas consultas do governo britânico sobre o desenvolvimento da Lei da Escravatura Moderna do Reino Unido de 2015, dando o nosso feedback e conhecimentos com base no nosso programa. Como o Reino Unido deverá rever a sua estratégia de escravatura moderna em 2021, continuaremos a fornecer informação e apoio relevantes.

Também colaborámos com o Comité de Auditoria Ambiental do Governo do Reino Unido, bem como com o Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial e a Comissão do Departamento de Negócios Estrangeiros, para contribuir para os seus inquéritos e identificar áreas de atuação.

Na UE, contribuímos para as consultas sobre a introdução de legislação obrigatória de diligência devida a nível regional e dentro dos Estados-Membros e apoiamos as medidas para introduzir tal quadro.

4. CONSULTA DOS TITULARES DOS DIREITOS E ENVOLVIMENTO DO TRABALHADOR:

Os trabalhadores das cadeias de fornecimento têm direitos claramente definidos mas são frequentemente excluídos do processo de diligência devida ou enfrentam obstáculos para fazer ouvir as suas vozes e opiniões. Temos trabalhado na criação de parcerias de confiança com intervenientes locais e regionais para nos dar uma visão contínua das necessidades dos trabalhadores. As nossas equipas locais também se ocupam regularmente da gestão e dos trabalhadores da fábrica. Isto não só fornece um feedback importante sobre as questões que enfrentam, mas também sobre o impacto do nosso trabalho com eles.

Por exemplo, na sequência da pandemia da Covid, associámo-nos à Microfinance Opportunities, uma ONG com sede nos EUA, e à SANEM, o seu parceiro local no Bangladesh, para estabelecer um projecto de seis meses chamado Soromik er Kotha. Foi criado para recolher dados que nos ajudassem a compreender as opiniões e experiências dos trabalhadores no local de trabalho. O projeto teve como modelo o projeto Worker Diaries (Diários do Trabalhador) no Bangladesh. Definimos uma amostra de 400 trabalhadores de várias fábricas nas cadeias de fornecimento da Primark, todos recrutados através de redes comunitárias e pagos pelo seu tempo envolvido no projeto. Recolhemos as suas respostas a um conjunto de perguntas durante um período de tempo definido para nos permitir compreender as suas opiniões sobre várias áreas, incluindo saúde e segurança no trabalho, salários e bónus e redução de gastos. O nosso objetivo para o projeto é gerar dados e conhecimentos importantes para nos ajudar a compreender e a ser mais capazes de responder aos desafios que os trabalhadores do Bangladesh enfrentam.